Desbancando o discurso economicista, artigo de Marcus Eduardo de Oliveira

    [EcoDebate] Entende-se por Ecologia “a ciência geral das relações dos organismos vivos em relação ao ambiente que os rodeia que, no sentido mais amplo, devem ser consideradas todas as formas de existência”. Pelo menos foi essa a definição dada por Ernst Haeckel (1834-1919), considerado o seu fundador enquanto ciência independente. Haeckel disse ainda que a Ecologia também pode ser definida como “a Economia da natureza”. O fato é que a

Uma economia que sirva o Ser Humano, artigo de Marcus Eduardo de Oliveira

    [EcoDebate] Alinhavado a uma histórica estrutura disfuncional que permeia a economia global, imiscuído na órbita do mercado capitalista, o impacto de dois movimentos basilares da economia - o industrialismo e o consumismo - em dois séculos de existência, desequilibrou completamente a relação homem-natureza; ser humano-meio ambiente; homo sapiens-Terra. A estratégia econômica organizada pelos países que rapidamente foram se industrializando ao longo dos últimos tempos, centrada na fixa ideia do crescimento econômico

Bem-estar humano e sustentabilidade, artigo de Marcus Eduardo de Oliveira

    [EcoDebate] A constatação de que a busca pelo bem-estar humano - quando envidada pelo bom uso dos fundamentos macroeconômicos - é antagônica e ameaçadora à própria ideia de sustentabilidade, pode ser claramente percebida pela “tensão” provocada pela atividade econômica sobre o mundo natural, principalmente a partir das condições impostas para se alcançar mais crescimento econômico. Por sua vez, isso reafirma e expõe, a olhos nus, a fragilidade da relação existente entre a

Crescimento e Progresso, artigo de Marcus Eduardo de Oliveira

'comendo' o Planeta

    [EcoDebate] Obcecada pela lógica capitalista dominante, a sociedade moderna parece ter sérias dificuldades em diferenciar, na prática e não no conceito, “crescimento” de “progresso”, e, de modo análogo, insiste em confundir o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto), não somente como sendo a maneira mais eficiente de mensurar, mas também de aprimorar os níveis de bem-estar e de felicidade, como se esses princípios basilares da vida, rasteiramente, dependessem de conquista

Natureza violentada, artigo de Marcus Eduardo de Oliveira

    [EcoDebate] Por qualquer ângulo que se lance o olhar, a crise ambiental pode ser vista como a expressão máxima de que a Terra é um organismo vivo que se baseia em equilíbrios extremamente sutis que, face a presença humana, foram acintosamente violentados tendo em vista fins produtivistas, condicionados, obviamente, à conquista de lucros. Por essa perspectiva, a natureza, violentada pelo padrão capitalista de produção industrial global, não suporta um modelo de

A saúde do Planeta, artigo de Marcus Eduardo de Oliveira

modelo insustentável

    [EcoDebate] De certa forma, a história da humanidade é marcada por profundas e constantes transformações - avanços tecnológicos, urbanização, explosão populacional, disseminação de informações -, para citar apenas esses poucos exemplos. Inexoravelmente, essas – e quaisquer outras – transformações, cedo ou tarde, acabam nos acertando em cheio; razão pela qual sempre percebemos o mundo em frenético movimento. Dentro desses poucos exemplos citados, vale dar especial atenção, primeiramente, a taxa de urbanização. Se,

Civilização em crise, artigo de Marcus Eduardo de Oliveira

modelo insustentável

    [EcoDebate] À semelhança dos mais sérios problemas ambientais, a crise de civilização (confluência de todas as outras crises) parece ser fruto do descompasso e da perda de noção do lugar que ocupamos junto à natureza, desde que herdamos do século XVI os ensinamentos de Francis Bacon, que enxergava a natureza como uma “prostituta de todos”, seguido por René Descartes, o qual preconizava que “o homem deveria dominar, apossar e ser

Teologia do Crescimento, artigo de Marcus Eduardo de Oliveira

[EcoDebate] Crescer, crescer e crescer. Essa tem sido a receita principal das mais importantes economias modernas, convertida em verdadeiro dogma, corroborada pelo pensamento econômico tradicional que identifica no acúmulo de produção e consumo de mercadorias a errônea noção de progresso. Para tanto, a atividade econômica exerce domínio técnico sobre a natureza, convertendo os finitos e não renováveis recursos naturais em mercadorias, fazendo do consumismo uma espécie de “religião” daqueles que se

Questionando o crescimento econômico, artigo de Marcus Eduardo de Oliveira

    [EcoDebate] Sempre é oportuno questionar o crescimento econômico, posto que este, impulsionado pelo consumo, organiza em primeiro plano a sociedade de massas, acirrando assim a crise ecológica. Para o fim último de uma sociedade que se pauta na busca da felicidade, via aquisição material, o crescimento econômico se apresenta como o caminho mais viável para isso, visto que potencializa o ciclo de acumulação do capital (produção, consumo, mais produção para mais

Influenciando os sistemas ecológicos, artigo de Marcus Eduardo de Oliveira

  [EcoDebate] O naturalista francês, Jean-Baptiste de Lamarck (1744-1829), criador do termo “Biologia”, ao escrever sua obra “Sistema Analítico dos Conhecimentos Positivos do Homem”, em 1820, observou que “o homem, por seu egoísmo muito pouco clarividente para com seus próprios interesses, por sua propensão a fruir de tudo o que está a sua disposição, em uma palavra, por sua falta de preocupação com o futuro e seus semelhantes, parece trabalhar na

Sempre há uma saída: Laudato Si´, a Carta Encíclica de Francisco, artigo de Marcus Eduardo de Oliveira

  Foto: Diocese de São José dos Campos   [EcoDebate] Na recém-publicada Carta Encíclica Laudato Si´ (Louvado Seja - Sobre o Cuidado da Casa Comum), ao falar sobre (...) “os gemidos da irmã terra, que se unem aos gemidos dos abandonados do mundo”, o Papa Francisco contextualiza dizendo que “o problema é que não dispomos ainda da cultura necessária para enfrentar esta crise (ecológica, grifo meu!) e há necessidade de construir lideranças que

Além da realidade econômica, artigo de Marcus Eduardo de Oliveira

    [EcoDebate] A afirmação a seguir é do jornalista e educador norte-americano Richard Heinberg: “O crescimento econômico que conhecemos é coisa do passado. O crescimento de que estamos falando consiste na expansão do tamanho da economia como um todo (com mais pessoas obtendo bens e serviços e mais dinheiro circulando) e nas quantidades de energia e de bens materiais fluindo através dela”. Para Heinberg, a questão é uma só: há de se

Top