As mudanças climáticas podem trazer múltiplos desastres simultâneos, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  As emissões contínuas e crescentes de gases de efeito estufa (GEE) estão provocando mudanças climáticas desastrosas não só para toda a humanidade, mas também para todos os seres vivos do Planeta.     [EcoDebate] São, cada vez, mais notórios os sinais de caos climático e ambiental, como os furacões, tufões e ciclones que atingiram diversas partes do mundo em 2018 (Jebi no Japão, Mangkhut na Filipinas e China, Florence e Michael nos EUA, etc.),

A COP24 diante da emergência planetária e do Armageddon ecológico, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  Emergência Planetária - A afluência e a influência humana sobre a Terra nos tempos modernos têm sido tão significativas (e ambientalmente tão negativas) que pôs fim à estabilidade climática existente nos cerca de 12 mil anos do Holoceno   “É triste pensar que a natureza fala e que o ser humano não a ouve” Victor Hugo [EcoDebate] A Terra é a nossa casa comum. A humanidade é uma das inúmeras formas de vida que

A vida secreta das árvores e o déficit de natureza, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

"Este mundo curioso que nós habitamos é mais maravilhoso do que conveniente, mais bonito do que útil, mais para ser admirado e apreciado do que usado" Henry Thoreau (1817-1862) “O bem-estar e o florescimento da vida humana e da não-humana sobre a terra têm valor em si próprios (valor intrínseco, valor inerente). Esses valores são independentes da utilidade do mundo não-humano para os propósitos humanos” Arne Næss e George Sessions (1984)   [EcoDebate] O livro “A vida

As emissões globais de combustíveis fósseis batem recorde em 2018, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  "O fato é que as emissões só cairão consistentemente com uma mudança completa no modelo de produção e consumo e o decrescimento demoeconômico".   [EcoDebate] O Acordo de Paris, assinado em 2015, em seu ponto principal, trata do esforço para reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE). Entre 2014 e 2016 as emissões mundiais ficaram estagnadas e parecia que tinham alcançado um pico para, em seguida, começar um processo de

Quarenta anos das reformas de Deng Xiaoping e o renascimento da China como potência, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Uma China como potência assertiva, dominante e autoconfiante (além de pouco democrática) é a nova realidade das relações internacionais. “Art. 1: Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade” 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos (10/12/1948)   “A religião para mim é ciência e a ciência é religião” 203 anos do nascimento

A agricultura pode não atender a demanda de alimentos nas próximas décadas, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] Existe um mito de que a Terra tem amplas condições de atender a demanda mundial por alimentos até 2050. Mas a realidade mostra que o quadro alimentar no mundo é mais complexo e há dificuldades crescentes para produzir comida de forma sustentável. Artigo de Chris Clayton (17/10/2018) utilizando o Índice de Produtividade Agrícola Global (GAP, em inglês) - compilado pela Global Harvest Initiative – mostra que a produção de alimentos

Transição Religiosa – Católicos abaixo de 50% até 2022 e abaixo do percentual de evangélicos até 2032, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Transição religiosa no Brasil [EcoDebate] O Brasil é o maior país católico do mundo e possui mais de 100 milhões de habitantes que se auto declaram católicos (praticantes ou não praticantes). Em termos percentuais, os católicos representavam mais de 90% da população em meados do século XX. Mas este quadro veio mudando rapidamente nas últimas décadas e há 4 tendências claras: As filiações católicas vem caindo em termos relativos durante todas

Dois mil anos de história econômica em um gráfico, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  “Nada no universo perdura para sempre, tudo se transforma continuamente e todos os fatos são impermanentes” Buda (563-483 a.C.)     [EcoDebate] Muita coisa aconteceu no mundo nos últimos 2000 mil anos e parece até impossível resumir as principais tendências econômicas de uma forma simples e transparente. Contudo, o gráfico acima resume a história econômica dos dois últimos milênios (Desjardins, 2017), servindo como uma visualização das principais alterações acontecidas no período. O gráfico mostra a participação

Cresce o número de jovens brasileiros que não pretendem ter filhos, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  “Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado de nossa miséria” Machado de Assis (Memórias póstumas de Brás Cubas)     [EcoDebate] O Brasil, na maior parte de sua história, sempre teve taxas médias de fecundidade muito altas (acima de 6 filhos por mulher). Mas isto começou a mudar na segunda metade da década de 1960, quando o número médio de filhos por mulher começou a diminuir. A percentagem de mulheres que não

O show de Xi Jinping na APEC e a reunião do G-20 na Argentina, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  São muitas as questões em aberto e por conta disto a reunião do G-20, no final de novembro e início de dezembro, assume um papel decisivo     [EcoDebate] O fórum Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (na sigla em inglês: Asia-Pacific Economic Cooperation - APEC) agrupa 21 países-membros localizados nos dois lados do oceano Pacífico. A APEC foi criada em 1989 e, conforme apresentado na tabela acima, os 21 países da Organização, em ordem de

O nascimento da pílula anticoncepcional e a revolução sexual e reprodutiva, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

“Você pode evitar descendentes. Mas não há nenhuma pílula para evitar certos antepassados” Millôr Fernandes     [EcoDebate] Fazer sexo por prazer foi, ao longo da história, um privilégio dos homens. Já as mulheres sempre sofreram com a possibilidade de uma gravidez não planejada ou indesejada. A situação se agravou quando as taxas de mortalidade caíram, especialmente a mortalidade infantil, fazendo com que as mulheres atingissem o número ideal de filhos mais precocemente. Mas a

Os países mais religiosos são os mais desiguais socialmente, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] Desigualdade social e religiosidade são fenômenos que andam juntos e de mãos dadas. Em geral, quanto mais desigual um país, maior importância a população tende a dar à religião. Essa é uma conclusão que se pode tirar do gráfico acima, apresentado pela pesquisa "Americans are far more religious than adults in other wealthy nations”, do Instituto PEW (31/07/2018). A linha inclinada do gráfico mostra que os países que mais valorizam a

Top